Conecte-se conosco

Notícias

Zoo de Curitiba avança no trabalho de reprodução de harpias

Publicado

em

Os três exemplares de harpias, espécie de águias que vivem no Zoológico de Curitiba, passaram por exames, pesagem e coleta de sangue para avaliação genética. Além de garantir a saúde dos animais, o trabalho atende aos requisitos do Projeto Harpia, do qual a instituição curitibana faz parte desde o início deste ano, com a Associação de Zoológicos e Aquários do Brasil (AZAB) e demais instituições mantenedoras da espécie sob cuidados humanos. 

“É uma atividade importante, não só pelo avanço técnico interno, mas também pela importância na conservação das harpias no Brasil e no Paraná”, avalia a chefe do Zoológico de Curitiba, Ana Silvia Passerino.

Harpia harpyja foi categorizada como vulnerável, de acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), pela perda populacional causada pelo desmatamento e caça eventual nas florestas brasileiras. O projeto nacional visa contribuir com a sobrevivência dessa emblemática espécie de águia.

Dentro do termo de cooperação foi solicitada a coleta de sangue para análise genética dos exemplares de harpia mantidos no Zoo de Curitiba. Essa análise é fundamental para aumentar o conhecimento sobre os animais mantidos nas instituições parceiras. 

Durante o trabalho de manejo, o casal de irmãos nascidos no Refúgio Biológico Bela Vista, da Itaipu Binacional, foi separado e o macho começou o processo de aproximação com a fêmea que veio do Mato Grosso, em dezembro de 2019

“Esse novo casal, sem consanguinidade, pode no futuro gerar filhotes com importante herança genética para a população de harpias”, destaca a chefe de Fauna do Zoo e responsável local pelo projeto, Nancy Banevicius. De acordo com ela, ainda não é possível prever quando pode iniciar essa reprodução. 

Centro de conservação

O Zoo de Curitiba mantém trabalhos em grupos nacionais de conservação de outras dez espécies: muriqui-do-sul; mico-leão-da-cara-dourada; macaco-aranha-da-testa-branca; tamanduá-bandeira; onça-pintada; lobo-guará; jacutinga; 
 ararajuba; jacucaca; e sagui-da-serra-escuro. 

As atividades e os cuidados com os animais que são mantidos pela instituição continuam, mas a unidade de conservação está temporariamente fechada para visitação em razão da pandemia do novo coronavírus. 

AJUDE O PEQUENO PRINCIPE!