" " Startup curitibana faz sucesso realizando curadoria de produtos para veganos | XV Curitiba " "
Conecte-se conosco

Empreendedorismo

Startup curitibana faz sucesso realizando curadoria de produtos para veganos

Publicado

em

Estima-se que de 5% a 7% dos brasileiros – entre 10,5 a 15 milhões de pessoas, aproximadamente – sejam veganos. Com uma filosofia que visa excluir, na medida do possível e praticável, toda forma de exploração de animais, muitas dessas pessoas encontravam dificuldades para adquirir cosméticos que atendessem a esse objetivo. Foi com esse propósito que empreendedores de Curitiba (PR) resolveram lançar, em novembro de 2019, uma nova opção para o segmento: a Verdê Cosméticos (www.verdecosmeticos.com.br), e-commerce que realiza curadoria de produtos para pessoas que buscam itens mais naturais, sustentáveis e que respeitem os animais, como maquiagens, itens de cuidados para a pele, cabelo, higiene pessoal, entre outros.

Já em agosto do ano passado, a startup deu mais um passo e criou também outro e-commerce, a Verdê Kids (www.verdekids.com.br), destinada aos pais e crianças, com um viés mais sustentável: caso de fraldas ecológicas e brinquedos veganos. “Nós somos veganos, mas queremos atrair todas as pessoas que tenham interesse em proteger os animais, com atitudes e compras que beneficiem sua saúde ou o planeta, olhando para isso sem preconceitos. Queremos nos tornar referência para essas pessoas, podendo fazer suas compras em um lugar só”, explica Mariana Alves, uma das sócias-fundadoras da startup.

Os dois negócios surgiram de uma necessidade de Mariana e de seu sócio, Johny Dallasuanna. Ambos adotaram a filosofia vegana e estavam cansados de ler rótulos, tentando descobrir quais produtos seguiam efetivamente as diretrizes. “Por não poder confiar muito no que se vê nas prateleiras, entendemos que seria interessante ter uma loja para comprar com confiança”, explica Mariana. De acordo com Dallasuanna, a curadoria elimina produtos que sejam ligados a grandes marcas, que tenham se envolvido com exploração animal – ainda que o produto em si possa ser considerado vegano. “Nós somos bem minuciosos, como um filtro para quem compra. Nós entendemos quais marcas se encaixam em nosso perfil. Se o produto não tem nada de origem animal, mas a empresa patrocina rodeios ou desfiles de moda com peles, ele não vai entrar em nossa loja”, explica.

Pequenos negócios e sustentabilidade

Além da curadoria vegana, a Verdê Cosméticos e a Verdê Kids lidam com empresas de menor porte: o propósito é fortalecer os pequenos negócios. “A maior parte dos nossos fornecedores é pequeno. Se não encontramos algo de nosso interesse, procuramos importar”, conta Mayara Marenda Narita, que atua na área de prospecção de fornecedores. “Embora tenhamos relação com os pequenos, queremos produtos confiáveis, que tenham passado por todos os testes técnicos necessários, mas que sejam os mais naturais e sustentáveis possíveis”, explica Mayara. O segmento infantil é um dos que geram mais lixo no planeta, com o consumo de fraldas e outros produtos descartáveis. Além disso, roupas são perdidas e brinquedos geram atratividade por pouco tempo entre as crianças.

Na avaliação de Mariana e Dallasuanna, os dois negócios acabaram se complementando, especialmente no quesito sustentabilidade e busca por fornecedores locais e pequenos, algo que se tornou ainda mais visado na pandemia. “O momento que estamos vivendo deu um clique para muitas pessoas, que começaram a procurar e pesquisar produtos veganos”, ressalta Mariana.

O mercado vegano no Brasil

Estima-se que o mercado vegano cresça 40% ao ano no Brasil. Nos últimos oito anos, as pesquisas pelo veganismo em mecanismos de busca de internet cresceram 915% no Brasil, de acordo com o levantamento digital realizado pela BHB Foods Suplementos e Decode. “Quando empresas de grande porte passam a lançar linhas de produtos veganos, é um indicativo de crescimento deste mercado. Mesmo empresas no ramo de alimentação, que trabalham com carne, estão lançando carnes vegetais”, analisa Mariana.

Dallasuanna diz que hoje é mais simples de encontrar produtos voltados a esse público. “Até mesmo mercados contam com gôndolas de produtos, identificando e facilitando para esse consumidor. Isso serve de termômetro”, avalia. Como o Brasil segue tendências mundiais, é provável que o cenário dos Estados Unidos, que viu o veganismo crescer 600% nos últimos três anos, seja replicado no país. Até 2025, o consumo de produtos veganos deve ultrapassar US$ 3,15 bilhões nos EUA.

Publicidade