Conecte-se conosco

Notícias

Aluna e professora são filmadas trocando socos em sala de aula no interior do Paraná

Publicado

em

Uma professora, de 34 anos, que estava lecionando para alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), foi agredida por uma aluna, de 33 anos, na noite desta terça-feira (24), em Califórnia, no norte do Paraná. O motivo da agressão teria sido um meme publicado pela professora no grupo de mensagens por aplicativo. Revoltada com o conteúdo, a aluna teria partido para a agressão, mesmo depois de ter procurado a coordenação pedagógica da escola, pedindo providências sobre o caso.

A agressão virou caso de polícia. O vice diretor do Colégio Estadual Talita Bresolin, onde funciona a EJA, acionou a Polícia Militar local ao tomar conhecimento da briga dentro de sala de aula. As duas mulheres foram separadas por alunos e funcionários da escola.

Conforme informações da Polícia Militar, a professora relatou que ao ministrar uma aula de história se desentendeu com a aluna. A professora teria informado que há dois meses elas já tiveram outro conflito em relação a conteúdos de grupos de WhatsApp, porém, nesta terça, a estudante agrediu a educadora com socos e chutes.

Quando a PM chegou na escola, conforme boletim registrado, encontrou a aluna na sala da direção e a professora, na cozinha. As duas foram levadas para o Destacamento da PM para a confecção de um Termo Circunstanciado.

A professora  sofreu ferimentos na boca, hematoma no braço direito e perna esquerda. Ela se comprometeu a procurar atendimento médico, para verificação e laudo das lesões sofridas, de acordo com a polícia.

ESCOLA VAI ANALISAR CASO

A diretora do colégio, professora Maria de Fátima Domingues, informou que o caso vai ser apresentado e discutido pelo Conselho Escolar, que reúne representantes de toda a comunidade escolar, como professores, funcionários, alunos, pais de alunos. A reunião do conselho para deliberar sobre o assunto ainda não foi agendada. "Queremos uma atitude. Agressão física jamais pode ser justificada", comentou a diretora, que não trabalha no turno da noite, quando os fatos ocorreram.

 

Publicidade