O segundo capítulo de uma nova série de cinco filmes, nova franquia de J.K. Rowling e da Warner sobre o universo mágico de Harry Potter, Animais Fantásticos e os Crimes de Grindelwald chegou aos cinemas no último dia 15. Confesso que estava mais ansioso para este do que estive no primeiro filme. Não sei explicar, talvez por criar uma expectativa grande para a continuação, ou pelo fato de saber que teriam várias referências a história de Harry Potter, Dumbledore, Hogwarts, Nicolau Flamel, e vários outros. E para analisar e poder contar a vocês o que achei do filme, vou ter que (tentar) me desprender do meu lado fã. É difícil, já que sempre fui apaixonado pela saga e confesso que em determinadas partes do filme, até me emocionei. Para quem gosta, vai ser inevitável não sentir aquela emoção quando aparecer Hogwarts, quando começar aquela música clássica que já conhecemos bem, quando alguma referência clara daquela história que amamos tanto aparece em tela, entre tantas outras coisas que vão emocionar quem é fã deste mundo bruxo. 

O filme nos apresenta novos elementos, e isso foi bacana. Pegou todos de surpresa, já que são fatos desconhecidos até para quem acompanha os livros e todas as notícias sobre a saga. A trama desta vez acontece em Paris, diferente do 1° filme que foi em Nova York. Newt Scamander, nosso protagonista, viaja até a cidade em busca de Credence, que está sumido desde os acontecimentos do último filme. Diferente do que muitos imaginavam, o filme continua sendo de Newt (Eddie Redmayne) e não de Dumbledore (Jude Law), como os materiais de divulgação do filme sugeriram. Por falar em Dumbledore, sua participação no filme é bem menor do que esperávamos. É sutil, mas na medida certa. Com certeza deve (e vai) ganhar mais destaque nos próximos filmes. Ainda sobre Dumbledore, gostei muito de ver Jude Law no papel. Seus trejeitos se assemelham muito ao Dumbledore vivido por Michael Gambon na saga Harry Potter e terminamos o filme com um gostinho de "quero mais" quanto ao personagem. Necessitamos ver mais dele. Já Johnny Depp no papel do vilão Grindelwald, talvez seja um dos principais destaques do filme. Deixando de lado suas polêmicas na vida real, o ator e sua capacidade de atuação são incríveis. Ele conseguiu transmitir com Grindelwald uma sensação que, sinceramente, não sentimos com Voldemort, principal vilão de Harry Potter, por exemplo. Uma mistura de medo com incógnita. Em alguns momentos você sente medo, em outros até começa a se afeiçoar e a secretamente torcer por ele. O visual do filme está incrível, para variar. Talvez este seja o ponto mais forte de, não apenas Animais Fantásticos, mas todos os filmes deste universo mágico de J.K Rowling. Os figurinos são lindos, os cenários, os efeitos, tudo neste quesito merece elogios. Os animais são outro destaque do filme. O trabalho de design e computação nos entregou um trabalho pomposo e convincente, de uma qualidade excepcional. As criaturas também nos garantem as melhores cenas cômicas do filme, dando uma leveza num filme que é quase o tempo todo mais obscuro do que foi o primeiro filme. 

"Mas, Lucas. Só elogios, o filme é tão bom assim então?"

Não, não é 100% espetacular. O filme é basicamente feito para os fãs de toda a saga, ou seja, se você não acompanhou Harry Potter e não assistiu o primeiro Animais Fantásticos, pode não entender bolhufas. Talvez até entenda uma coisa ou outra com o decorrer do filme, mas vai "boiar" em algumas referências, como a aparição de Nicolau Flamel, a Pedra Filosofal, alguns detalhes sobre Hogwarts e mais alguns outros que se eu contar, será spoiler, então prefiro não dizer. Porém, essa parte não vai agradar apenas os que não acompanham, porque os fãs vão se deliciar com estes momentos. O filme também tem alguns momentos lentos, que demoram para engrenar. Pode-se dizer que começa bem, com uma boa ação inicial, aí dá uma caída e aí só depois de uma meia hora de filme, começa a fluir de novo e ter mais cenas de ação. Mas algo que eu sempre digo nas minhas críticas é: se você não é tão exigente, são detalhes que talvez nem note. O filme também tem uma abordagem política que lembra muito os momentos que a sociedade vive hoje em dia. O discurso de "mágicos" e "não-majs", ou seja, bruxos e pessoas comuns, é algo constante no filme e parte importante da trama. Devem ir mais à fundo do tema nos próximos filmes da saga. Ao final, temos grandes revelações que prometem mudar tudo que sabemos sobre a história e que deve te deixar pensativo e fazendo milhões de teorias.

No geral, Animais Fantásticos e os Crimes de Grindelwald é um filme que pode ser dividido em duas notas: ótimo para os fãs e morno para quem não acompanha muito. Eu, como fã, gostei e pretendo ver mais de uma vez nos cinemas. Como novidade, J.K. Rowling já confirmou que o 3° filme acontecerá no Brasil. Sim, teremos magias em terras brasileiras. É aguardar ansiosamente para ver. 

Assista ao trailer: 

Comments

comments