Com 500 apresentações grátis ou a baixo custo, 27º Festival de Curitiba foi um festival para todos

O 27º Festival de Curitiba foi um festival para todos: dos quase 400 espetáculos, 100 eram gratuitos – incluindo Mostra e Fringe, o segmento simultâneo sem curadoria e com participação aberta a todas as companhias do Brasil e do mundo.

Foi possível ver teatro das 9h às 21h sem tirar um real do bolso durante os 12 dias seguintes à abertura, na noite de 27 de março, quando o mineiro Grupo Corpo deu a partida, no Guairão.

Ainda houve 46 atrações no sistema "pague o quanto vale".  Foram, assim, mais de 500 sessões grátis ou a baixo custo.

Curitiba e também Região Metropolitana – Pinhais, São José dos Pinhais e Araucária – tiveram 39 de suas praças e ruas tomadas por 75 peças, em cerca de 300 sessões ao ar livre.

Quem andasse pelo CIC, Boqueirão, Tatuquara, Boa Vista e Centro inevitavelmente encontraria uma encenação.

No Guritiba – segmento infanto-juvenil do Festival, que completa 10 anos, pela primeira vez com uma curadoria -, além de programação gratuita, houve o lançamento de ações sociais que durarão o ano inteiro e chegarão a diversas escolas sem custo algum, democratizando a arte para crianças de baixa renda. Ao todo foram cinco espetáculos, dois shows e brincadeiras, ofertadas no Museu Oscar Niemeyer para todas as crianças.

Mais do que nunca, a acessibilidade foi ampliada: diversas atrações, nos muitos segmentos do festival – incluindo o Gastronomix, a quermesse de alta gastronomia -, tiveram audiodescrição – para atender às pessoas cegas – e tradução em libras, para as pessoas surdas, na busca de, cada vez mais, incluir todos os públicos no Festival.

O número de mostras do Fringe foi recorde, 20 ao todo, aumentando ainda mais a visibilidade das companhias que vêm espontaneamente participar da vitrine teatral em que Curitiba se transforma entre final de março e início de abril.

Curitiba recebeu artistas de 14 estados e sete países – Portugal, Chile, França, Espanha, Holanda, Uruguai e Colômbia -, unindo em torno da arte pessoas de diversas nacionalidades.

O Fringe – que, ao todo, recebeu 372 espetáculos que fizeram 1488 apresentações – teve ainda dez oficinas gratuitas para público e artistas conhecerem ou se aprofundarem em novas técnicas artísticas. Todas lotaram.

No Interlocuções – evento integrante da Mostra -, o público pôde aprofundar a experiência artística desfrutada nas peças convidadas – pelos curadores Marcio Abreu e Guilherme Weber -, participando de palestras, bate-papos, lançamentos de livros, exibições de filmes e oficinas. Mais uma vez, tudo grátis para todos.

O público estimado desta edição do Festival de Curitiba é de 215 mil pessoas.

 

O que é o Festival de Curitiba

O Festival de Curitiba é teatro, mas não é só isso: ele é composto por: Mostra 2018 – com espetáculos convidados por uma curadoria; Interlocuções – integra a Mostra com debates, palestras e eventos que aprofundam a experiência artística para o público, com programação gratuita; Fringe –  nesta edição traz centenas de atrações com participação espontânea de companhias; e o MishMash – show de variedades. Também fazem parte o Guritiba – o Festival para crianças; o Risorama – trazendo o stand upcomedy há 15 anos ao Festival; e o Gastronomix – com música e delícias para o paladar.

Mostra

A Mostra, que é o segmento em que curadores convidam as atrações, trouxe 29 espetáculos, quatro deles grátis: "Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação", "CabaretMacchina", da curitibana Selvática, "Colônia" e "The MachineTo Be Another – A Máquina de Ser Outro".

O primeiro espetáculo a lotar foi "Grande Sertão: Veredas". O público resolveu garantir assento mesmo sem conhecer onde seria encenada a peça, que pedia um espaço com condições especiais como um pé direito alto e favorecimento a blackout total. Por fim, a peça premiada com o Shell para a direção de Bia Lessa e para a atuação de Caio Blat, foi realizada no o Setor de Educação Profissional e Tecnológica Campus Riad Salamuni, da UFPR.

Os espetáculos "Preto", "A Visita da Velha Senhora", "Salomé by Fausto Fawcett" e "Os Guardas do Taj" também lotaram.

Curadoria

Os curadores Guilherme Weber e Marcio Abreu consideraram os convites de acordo com o momento de intenso debate que o Brasil vive. Não à toa, um dos espetáculos da Mostra 2018 foi "Domínio Público", coproduzido pelo Festival de Curitiba e bem recebido por crítica e público, com Wagner Schwartz, Renata Carvalho, Maikon K.e Elizabeth Finger.

O Festival também coproduziu, na Mostra, as atrações "Denise Stoklos em Extinção", "Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação" e "A Ira de Narciso".

Sete trabalhos convidados foram estreias nacionais: "Inoah", "Denise Stoklos em Extinção", "Domínio Público", "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas", "A Ira de Narciso", "Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação" e "CabaretMacchina.

 "Doze Flores Amarelas", a ópera rock dos Titãs, de Branco Mello, Sérgio Brito e Tony Bellotto fez sua pré-estreia durante esta 27ª edição.

"The Machineto Be Another – A Máquina de Ser Outro" (Espanha), "Vamos Fazer Nós Mesmos – Let's Do It Ourselves" (Holanda) e "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas" (França) são as três atrações internacionais da Mostra 2018.

Risorama

O Risorama – mostra de stand upcomedy do Festival – teve diversas de suas noites com ingressos esgotados e abertura de sessões extras.

As sessões regulares do dia 29, 30 e 31 de março do Risorama lotaram: foram abertas sessões extras às 22h30. Também lotaram as sessões do dia 28 – a regular e a extra – e a do dia 31.

O Risorama completou 15 anos sob o comando de Diogo Portugal e, nesta edição, teve como novidade mestres de cerimônia rotativos e um pockettalk show ao vivo e exclusivo comandado por Danilo Gentili.

Gastronomix

O Gastronomix – encontro gastronômico em que grandes nomes da gastronomia nacional e internacional, ao lado de músicos e artistas, promovem uma verdadeira quermesse cultural da alta gastronomia – teve o seu décimo ano, no momento em que começa a viajar para outras cidades: Foz do Iguaçu, Florianópolis e, em breve, Rio de Janeiro.

 

Ao todo foram 29 profissionais do sabor, distribuídos em 25 espaços, que apresentaram seus premiados e já conhecidos pratos nos dias 7 e 8 de abril, no Museu Oscar Niemeyer. O cardápio contemplou opções que partem de escolhas regionais até campeões de vendas autorais. A proposta da edição comemorativa é reproduzir as iguarias de maior sucesso nas dez edições promovidas do Gastronomix em Curitiba. Os pratos variam entre R$15 e R$25, com porções degustativas de 150 a 180 gramas.

 

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é apresentado pela Cielo, com patrocínio da Vivo, Denso do Brasil, Uninter, Copel Telecom, Sanepar, Governo do Estado, Ebanx, Tradener Comercialização de Energia, Renault do Brasil e GRASP. O aplicativo de mobilidade oficial do Festival de Curitiba é Uber.

Os eventos simultâneos – Guritiba, MishMash e Risorama -, igualmente, contam com o apoio de parceiros importantes para levar a arte, cultura e entretenimento ao público.

O Guritiba é apresentado por Perkins Motores, Mili, Parati e Unimed Curitiba, com patrocínio da Caterpillar e New Holland e apoio da Peróxidos do Brasil e Brose do Brasil.

O Grupo Boticário, este ano, apresenta o MishMash, evento que tem também o patrocínio da Schattdecor.

O Risorama é apresentado pela Potencial Petróleo, Havan, Sistema Fiep e Madero. E este ano, o segmento de stand upcomedy do Festival de Curitiba tem também o apoio da Aveo Vision, da Ford Center e da FH.

O Gastronomix, quermesse de alta gastronomia do Festival de Curitiba, por sua vez, tem o patrocínio da Melitta e da Compagás, com apoio da Lowçucar, Da Magrinha, Booking.com e conta ainda com a Oxford Porcelanas como fornecedora da louça oficial do evento.

As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

Foto: Nilton Russo

Comments

comments