Há um bom tempo, muitos fãs do XV Curitiba vinham até nós, para falar que queriam ver conteúdos sobre saúde aqui no site. Então já não era sem tempo de atendermos a esses pedidos, não é mesmo? Fechamos uma parceria com alguns dos principais especialistas da cidade, para que eles falem sobre o assunto para nossos leitores. A primeira delas é com a Clínica Bellage, referência em cirurgia plástica em Curitiba.

Para celebrar essa parceria, vamos fazer uma live sobre cirurgias plásticas mamárias. Se você se interessa está pensando em fazer uma, não pode perder: na entrevista, os médicos vão tirar todas as dúvidas dos participantes. Antes do evento você já pode ir se informando sobre o assunto, com o texto a seguir.

Nos próximos parágrafos, os doutores Marlon Câmara Lopes, Felipe Xavier e Lyzandro Mattiola explicam o que alguns tipos de cirurgias plásticas que você pode fazer nas mamas. Confira!

Que tal dar aquele “up” no decote?

Você já pensou em fazer uma cirurgia plástica? Arrumar um detalhe aqui, consertar um defeitinho ali… Saiba que você não está sozinho: esse é o sonho de muita gente!

Quando entramos nessa conversa, um dos principais sonhos de consumo das mulheres é fazer uma cirurgia nos seios. Há aquelas que sonham em colocar uma prótese para aumentar a “comissão de frente”, como também as que querem apenas corrigir alguma imperfeição. Muitas vezes, mães que tiveram filhos recentemente buscam um cirurgião plástico para fazer com que os seios voltem ao que eram antes da gravidez e da amamentação.

Há muitos tipos de cirurgias nas mamas e, muitas vezes, as mulheres têm dúvida de qual o procedimento mais adequado para elas. Você precisa estar 100% segura antes de investir seu tempo, saúde e dinheiro em uma cirurgia como essa, não é mesmo? Um bom médico vai analisar o seu caso, em detalhes, para indicar o melhor método para você. Além disso, ele vai explicar os procedimentos, em detalhes, de um jeito que um leigo possa entender e você tenha certeza de que seu visual vai ficar como você sonhou.

Dentre as opções mais procuradas estão a prótese mamária, a mamoplastia redutora e a mastopexia. A seguir, convidamos três especialistas para contar o que é cada uma delas e como elas funcionam.

Prótese Mamária, por Dr. Marlon Câmara Lopes (CRM-PR 25472 | RQE 17989)

Também chamada de “mamoplastia de aumento”, esse procedimento é o famoso “colocar silicone”. Mas além de deixar o decote mais volumoso, a prótese mamária também melhora o contorno e pode corrigir assimetrias (quando um lado não é igual ao outro) em pacientes com mamas pequenas. Além disso, é claro que uma mudança dessas no corpo pode melhorar muito a autoestima, não é?

Sobre a cirurgia, em si, existem 3 incisões (ou, simplificando, posições de cicatriz) mais clássicas: sulco submamário, infra-areolar e axilar. A primeira é a mais comum e vai embaixo das mamas, a segunda fica próxima à aréola (aquela área ao redor do mamilo) e, na terceira, o silicone é colocado pelas axilas.

Mas, quando a paciente tem flacidez, é necessário retirar pele, através de outro procedimento: a mastopexia, que vamos explicar melhor a seguir. Nesse caso, a cicatriz fica, geralmente, com formato de “T” invertido.

Onde, exatamente, a prótese vai ficar no corpo, depende de cada caso e só podemos dar certeza examinando a paciente. Mas o plano de colocação tem duas opções: submuscular (abaixo do músculo peitoral maior) ou subfascial/subglandular (acima do músculo peitoral maior).

Uma dúvida que paira sempre sobre a cabeça das mulheres é: se eu colocar silicone, preciso trocá-lo depois de algum tempo? Pode ficar tranquila! As próteses mais atuais não possuem prazo de validade, então podem ficar no seu corpo por período indeterminado. A única questão é que a garantia contra alterações espontâneas do produto (por exemplo, ele romper “do nada”) é de 10 anos, em média.

A substituição só é indicada em casos de: alguma alteração prejudicial no contorno do corpo, contratura capsular (que é quando seu organismo cria uma cápsula ao redor da prótese, apertá-la e a paciente sente dor), ruptura (quando a prótese se rompe), seromas (acúmulo de líquido na região) e hematomas. Esses sintomas não acontecem com todas as pacientes, mas, em todo caso, vale a pena voltar ao consultório para ter certeza de que está tudo nos conformes com sua prótese.

Mamoplastia redutora, por Dr. Felipe Xavier  (CRM-PR: 27822 | RQE 22019)

Enquanto algumas mulheres sonham em aumentar as mamas, o desejo de outras é diminuí-las! Por mais que isso possa parecer estranho para algumas pessoas, várias mulheres têm (ou, pelo menos, conhecem alguém que tem) problemas com seios grandes demais.

Os problemas vão desde a insatisfação ao se olhar no espelho, até dificuldade para achar roupas que sirvam ou limitações para praticar exercícios físicos. Além disso, o tamanho excessivo pode causar até mesmo problemas físicos, como dores no pescoço, nas costas e na cabeça, depressão nos ombros por causa da alça do sutiã e também lacerações ou infecções na pele.

Há muitas mulheres que possuem mamas grandes e convivem super bem com isso. Mas, se você passa por alguma das situações que citamos no parágrafo anterior e se incomoda com ela, saiba que existe uma alternativa. A mamoplastia redutora reduz o tamanho dos seios, reposiciona a mama no tórax, simetriza os dois lados e eleva a aréola. Tudo isso, reduz os sintomas físicos, como as dores, melhorando a qualidade de vida. Além disso, pode melhorar a autoestima, caso o tamanho das mamas influencie nisso, no seu caso.

Mastopexia ou lifting de mamas, por Dr. Lyzandro Mattiola (CRM-PR 22944 | RQE-PR 19013)

Além de aumentar ou diminuir as mamas, há uma terceira possibilidade: levantá-las. Esse método é indicado para mamas que sofreram o que chamamos de ptose ou queda, um processo caracterizado por flacidez de pele acentuada e, geralmente, pouco tecido mamário.

Na prática, isso quer dizer que temos mais recipiente (pele) do que conteúdo (tecido mamário). Mais uma vez, é importante salientar que isso não incomoda diversas mulheres, mas deixa algumas muito insatisfeitas com seus corpos. Se esse é o seu caso, não hesite em procurar ajuda profissional.

Isso acontece, mais frequentemente, depois de gestações, em especial quando ocorre mais de uma, em um curto intervalo de tempo. Além disso, também pode ser observada flacidez em pacientes que tiveram grandes variações de peso. Por fim, é importante considerar também fatores genéticos que definem a “qualidade” da pele de cada pessoa: algumas peles são mais “flexíveis” e se adaptam melhor a mudanças, outras têm mais tendência à flacidez.

Mas por que a gravidez causa esse problema? A explicação é o desenvolvimento da glândula mamária para a lactação, com o consequente aumento de volume da mama. Após o fim da amamentação, essa glândula para de produzir leite e, por isso, diminui seu volume. Como dissemos, algumas pessoas tem a pele mais flexível: por isso, nesse momento, a pele pode acompanhar ou não essa perda de volume, possivelmente resultando em flacidez.

Na variação de peso, o processo é parecido. Como os seios são formados por uma “mistura” de tecido mamário e gordura, se a mulher aumenta seu peso, terá um aumento de volume mamário, em consequência. Da mesma forma, se ela perde gordura, também há perda de volume mamário. Nessas oscilações, a pele pode não se adaptar e ficar flácida.

Bom, uma vez que seja constatada a flacidez e a ptose (queda), em avaliações médicas, está indicada a mastoplexia. E como funciona o procedimento?

Na cirurgia, nós iremos ressecar o excesso de pele e, também, o tecido mamário que está ptosado. Existe uma infinidade de técnicas para isso: em algumas utilizamos partes do próprio tecido mamário para dar mais volume à mama ou utilizar próteses de silicone. Para saber qual será a melhor técnica para o seu caso, é necessário fazer uma avaliação física com um cirurgião.

Na consulta, ele vai observar uma série de fatores anatômicos, além de conversar com você sobre como exatamente você quer que seus seios fiquem depois da cirurgia: mais volumosos, menores, bem marcados, etc… Depois de decidirmos todos os detalhes, podemos saber qual é o procedimento mais adequado e marcar a cirurgia.

Quer saber ainda mais? Acompanhe nossa live no Facebook!

Nesse texto, os doutores deram várias informações interessantes sobre cirurgias mamárias, não é mesmo? Como dissemos anteriormente, informação é essencial para que você se sinta segura para realizar a cirurgia. Se você se interessou por esse texto e quer saber ainda mais, não deixe de acompanhar a live no Facebook da XV Curitiba. No dia, os doutores vão tirar todas as dúvidas que vocês ainda tiverem sobre cirurgia plástica mamária. Confirme presença no evento e não perca a live!

Comments

comments