Nesta quarta-feira, 10, em Paranavaí, ao ser questionado sobre o excesso de presos em delegacias, o governador Beto Richa afirmou que a situação ocorre pontualmente e é reflexo da rigorosa ação policial no Estado. “Apertamos o cerco à criminalidade. A polícia está prendendo mais e tem que colocar em algum lugar. Reduzimos os homicídios e os crimes patrimoniais porque ampliamos o efetivo de policiais”.

Richa destacou que a superpopulação carcerária é um problema que acontece no Brasil inteiro, e que o Paraná melhorou a situação nos últimos anos. “É importante partir do início. Quando assumi o Estado, o Paraná tinha a pior situação do País. Mais de 16 mil detentos custodiados de forma irregular em delegacias ou cadeias públicas. Já retiramos das delegacias 7 mil detentos, restam 9 mil ainda”, explicou.

Segundo ele, desde que os dados foram expostos aos governadores pelo Departamento Penitenciário Nacional o Paraná vem adotando as medidas necessárias para reduzir os números de presos em delegacias. “Com as ampliações e construções de novas penitenciárias vamos tirar mais de 7 mil dessa situação. Os investimentos estão sendo realizados”, explicou.

Beto Richa relatou que o governo também comprou 5 mil tornozeleiras para aliviar a população carcerária no Paraná. “Diferente da maioria dos estados, não temos superlotação nas penitenciárias, nenhuma”, destacou. “Diante de boa parte dos estados, aqui ainda a situação está sob controle e as obras acontecendo”, afirmou ele, lembrando que muitas vagas foram fechadas no sistema prisional em razão de rebeliões. “Tem que reconstruir tudo”, disse.

O governador também falou da visita da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmem Lúcia, ao complexo penal de Piraquara na última terça-feira. “Ela elogiou a situação do Paraná, na comparação do que acontece no cenário nacional. Disse que aqui as penitenciárias estão dentro do que a Justiça determina que aconteça”.

Investimentos – Richa também salientou que diversos entraves impediram que o Paraná executasse obras de ampliação do sistema prisional, a partir de um acordo firmado com o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Em 2013, o governo estadual chegou a lançar os editais para construção e ampliação de unidades prisionais, mas os projetos não foram integralmente executados em razão da dificuldade para a liberação das verbas.

As obras eram parte do Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional. Do valor total, R$ 116 milhões viriam da União, com repasse da Caixa Econômica Federal, e R$ 45 milhões da contrapartida do Estado. “Foram muitas idas e vindas até que conseguimos acessar os recursos. Houve necessidade de mudança nos projetos, mesmo depois do acordo firmado”.
 

Sobre os investimentos em segurança, Richa reforçou que o atual governo foi o que mais contratou policiais na história do Estado. “São 11 mil policiais contratados. Viatura também a maior aquisição, 3 mil viaturas novas”, disse. “A pedido das forças policiais, compramos armas pesadas, como fuzis, carabinas, submetralhadoras, pistolas 9 milímetros, iguais as usadas pelo FBI. Continuamos comprando coletes de proteção individual”.

Foto: Orlando-Kissner-ANPr
 

Comments

comments